Pequena coleção de frases murais de Lisboa, transcritas literalmente e em jeito de cadáver esquisito

“Olá”

“Amo ninguém”

“… E o Estado social, pá?”

“Fraco.”

“Servicismo turístico é pra burros

“Vida dura…!”

“Squat”

“Cada eu que digo é outro.”

“Stop nasty laws”

“Foice o tempo / PRÉDIO”

“Se eu fosse você o outro era quem?”

“Sopa”

“Baco = Snitch”

“RIP Motel”

“Medina / Madonna”

“Se só pensas em dinheiro, procura outra casa de banho! Esta está ocupada!”

“Que se foda a musa.”

“haverá sempre am<3r na sala”

“há mais vida que isto!”

“Turismo o caralho!”

“Be where? Be rave!”

“e o Estado independente kaloteiro?”

“Foda-se, cala-te caralho!”

“Eles cortaram o queijo com a máquina do fiambre”

“Dá fruta”

“Chop suey”

“She left him / know she shags a kiwi guy and luvs it!”

“Ana Carina”

“Love is possible”

“portugal o mesmo monárco-fáxo avarento / é só luxúria-boémia-wars (…)”

“O Vítor Kiala é guy!”

“USA nazi nuclear”

“ÁCIDOÁCIDOÁCIDOÁCIDO”

“A saudade faz o que foi melhor do que era”

“What was that about a black marker??”

“1 é pouco / 2 é bom / 3 é demais”

“Vidas.”

“Amo… você”