Roma, coração aberto

Que dura e bonita obra de realismo poético — em que as pessoas e as dores são tão vivas, naquele mundo de pretos e brancos muito precisos, muito escuros e luminosos (e, apesar de toda a crueza humana, com muito sonho, muito cinema?) — Alfonso Cuarón nos deu.

480F4777-2A6E-470E-81F9-83598D57F5A2