Os pais da noiva é que sabem

Não consigo não me divertir com o novo disco dos Vampire Weekend, Father of the Bride. Gosto imenso das canções, da viagem louca que provocam, ora entre estilo solarengo costa-oeste, ou afro-country made in America, ora burguês-reflexivo. São poucas as bandas que conseguem jogar num nível tão alto no pop-rock, com graça e sentido lírico, e cheios de ginga. Koening e companhia fazem-no de forma que se vê que é muito trabalhada – a produção, os convidados, os pormenores técnicos e diferentes que passam de malha em malha (no top, entre várias: Stranger, Unbearably White, We Belong Together, e por todas, Jerusalem, New York, Berlin) – e muito bem trabalhada, a apontar sempre ao alvo da vida, que é seguir em frente, num carro, rumo ao sol, leves de ritmo e cheios no peito. Disco do e para o Verão, sem dúvida.

vampire-weekend-father-of-the-bride-artwork-1548350021-640x668