Seattle (eternal never)

despedi-me na esquina

e depois subi a rua

olhei para baixo

acusei o tempo

estava cansado, e

ligeiramente vazio

olhei para o lado

no mural das obras estava escrito

a caneta preta de feltro

E TERNAL

N EVER

tirei uma fotografia

continuei o caminho

prometi a mim mesmo

que um dia vou conquistar

Seattle

uma palavra

de cada vez