Na tina

Estou há quase duas semanas com a canção Ronaldo, do Chico da Tina, na cabeça. Já ouvi muita outra coisa, mas não há maneira de não voltar a esta. Parte do sucedido deve-se à sedutora produção do Bejaflor e do Co$tanza (o beat é ótimo, não há como fugir). Outra parte deve-se à forma da declamação: segura, assertiva, e provocadora, típica de quem está mais que à vontade, cheio de confiança. Não sou o maior fã do trap, mas confesso que esta fica – e já agora, sabem o que é que também fica na tina? Este pequeno som do Bejaflor: aqui fica, para que não passe despercebido.