Sonhos de ouro

No sonho de ontem estava numa floresta, numa casa (num hotel?) na floresta, e havia bruxas e pessoas com poderes especiais, fenómenos luminosos e místicos, e pessoas que fugiam umas das outras, que não se queriam encontrar. Mas eu encontrava todos, debaixo de uma vindima; estava fresco, matinal, apesar de escuro. Depois estava num aeroporto, num quarto de hotel dentro de um aeroporto, a caminho de um avião que parecia estacionado junto a uma bomba de gasolina de berma de estrada. Depois outra vez o ar, a natureza, o mar ao fundo, qualquer coisa de terra. Por fim, uma sala de concertos, de exibições, de filmes, com muita gente à porta. Sem canções: nunca se canta, nos meus sonhos.